terça-feira, agosto 1

Vai um detox?!

A moda dos detox não é recente. Desde o ano passado que se houve falar em Detox pra cá, detox pra lá. 
Quando o Verão se aproxima, toda a gente faz questão de olhar para o seu próprio umbigo e pensar: é desta que faço um detox e emagreço para ficar em forma no Verão.
Já acreditei em dietas e até já fiz uma ou outra, para tentar perder aqueles dois ou três quilinhos que teimam em não nos deixar.
Mas, a verdade é que com o passar do tempo, deixei de acreditar nesses detox da moda.
Neste início de mês, no auge do Verão, convido-vos a repensarem sobre o detox interior...
Há algum tempo que tento fazer um detox de várias coisas. Desde deixar de me preocupar com o que os outros pensam ou dizem a meu respeito (e respeito que tenham a sua própria opinião...), a deixar de lado algumas coisas ou pessoas que não me dizem mais do que aquele vizinho que só vejo de manhã, ao sair de casa, e à noite, ao regressar...
Fazer um detox faz-nos tão, mas tão bem... Acreditem que conseguimos perder vários quilinhos assim.
Por vezes, são estas coisas que nos afrontam, que nos deixam fora de nós e, por isso, acabamos por perder o foco e a energia para as nossas próprias coisas, para os nossos próprios objetivos.

Neste lindo mês de Agosto, desafio-vos a olharem para dentro, ao invés de olharem apenas para a barriga ou as pernas esticadas ao sol.

Eu já comecei o meu detox de Agosto.
E, para o acompanhar, nada melhor do que um bom banho, uma boa música e deixar a mente ficar cada vez mais tranquila...


Oops! Claro está que, com duas crianças em casa, a música não dura mais do que dois minutos sem se ouvir um grito, um sussurro ou até mesmo uma reclamação.
Mas, haja paciência... E, coragem para manter este detox durante todo o mês.

Desejo-vos um Excelente mês de Agosto!


segunda-feira, julho 31

Um dia, sonhei ser escritora...

E mais um mês termina.
Este podia ser mais um daqueles textos de desabafo. Mas, apenas hoje, não quero ser tão específica e por isso, deixo apenas umas breves palavras...

Julho trouxe muitas coisas novas por estes lados. Se a vida nos coloca desafios por acreditar na nossa capacidade de os ultrapassar, este mês de Julho foi a prova viva disso mesmo.
Apesar de ter consciência de que os desafios ainda não terminaram, este mês termino com uma certeza: o último desafio colocou-me de tal forma à prova, que posso dizer que me transformou. Não vou pronunciar-me em que aspeto, mas um dia destes, vamos conversar sobre isso...
Acredito que nada na vida acontece por acaso. Acredito que tudo nesta vida tem uma razão. Cabe-nos a nós parar e repensar sobre o que vivemos. Só assim conseguiremos retirar conhecimentos e aprendizagens em cada paragem.
Hoje despeço-me de Julho certamente com muito mais vontade de viver a vida como se não houvesse amanhã.

Apesar de ambígua, gostaria de vos convidar a continuar por aí. É tão importante para mim que estejas desse lado. Tão, mas tão importante. E, por isso, agradeço a cada um de vocês, por terem paciência para ler o que escrevo, e mesmo que com tantas paragens como as que já existiram, continuarem desse lado.
Um muito obrigada a vocês e a Deus por vos colocar desse lado <3

Um dia, sonhei ser escritora. Desde que me conheço a saber utilizar a caneta, sempre escrevi. Por isso, saber que escrevo para alguém, deixa-me de coração cheio. Continuem aí, porque prometo que virão muitas mais palavras deste lado...

Boa Semana!



Boa Semana!

De nós, para vocês, votos de uma Excelente Semana!

Os meus dois amores com cara de Segunda-feira ahah <3


sábado, julho 29

Quadros para quarto de menina: 10 Inspirações

É notório que adoro quadros. Para além do toque especial que dão a cada espaço, existe neles muita versatilidade. 
Hoje deixo-vos com 10 inspirações de quadros (aliás, conjugações de quadros) que podem ser utilizados em quartos de princesas.
O quarto da Estrelinha ainda não está finalizado. Como ainda dorme no nosso quarto, os toques de decoração ficaram para depois. Mas, já imagino um cantinho da parede com algumas destas imagens.
O que acham sobre isto? Também são fascinados por quadros tanto quanto eu? ;)

Fonte 01

Fonte 02

Fonte 03

Fonte 04

Fonte 05

Fonte 06

Fonte 07

Fonte 08

Fonte 09

Fonte 10

Bom Fim de Semana!

Sinto sim. E vocês?

sexta-feira, julho 28

Festas de Aniversário - Patrulha Pata #1 - Convites (DIY + Impressão)

Há bastante tempo que mais um dos temas com maior procura tem ficado na gaveta. Digamos que o último ano tem trazido desafios atrás de desafios, mas o importante é que tenho sobrevivido.

Hoje trago um dos temas da atualidade para as festas dos mais novos: a Patrulha Pata. 

Vamos começar pelos convites?Hoje, deixo-vos 10 ideias de convites que poderão recriar, e no final, 10 imagens que poderão ser impressas para personalizar convites ou decoração. Deixem-se inspirar, porque a Patrulha Pata vai entrar em ação! ;)

Fonte 001

Fonte 002

Fonte 003

Fonte 004

Fonte 005

Fonte 006

Fonte 007

Fonte 008

Fonte 009

Fonte 010


Agora, as imagens que poderão ser impressas para fazer convites ou simplesmente decoração...

Fonte 01

Fonte 02

Fonte 03

Fonte 04

Fonte 05

Fonte 06

Fonte 07
Fonte 08

Fonte 09
Fonte 10




Feliz Dia!

Boa Sexta-feira!




quinta-feira, julho 27

Atividades para Bebés: Estimulação Visual

Como Terapeuta Ocupacional, tornei-me mais atenta ao desenvolvimento infantil e muito mais interessada na utilização do brincar como meio para estimulação. Por isso, desde o nascimento do Gabriel que me esforço por adquirir brinquedos que favoreçam a estimulação de diferentes áreas. Mas, para além dos brinquedos que podemos comprar, podemos sempre dar asas à imaginação e personalizar imensas atividades.

Por cá, tenho regressado às pesquisas e DIYs.
Por isso, nada melhor do que "aproveitar" o tempo dispensado nas pesquisas, convosco.

Hoje deixo-vos 4 Links para 4 documentos em PDF que poderão descarregar e imprimir. São imagens a preto e branco, ótimas para estimular os bebés mais pequeninos.


Imagens a preto e branco prontas para impressão:
Para abrir, basta clicar nos Links abaixo









3 Looks do Dia (para ele) em saldos: Quanto poupamos?

O Look do Dia está de volta, e desta vez fomos aos saldos!
Já disse aqui que sou bastante "forreta" (ou agarrada, conforme vos dê mais jeito chamar). :p
Sou daquele tipo de pessoas que se sabe que as coisas existem a preços mais baixos, não consegue dar um valor mais elevado.
Os saldos são aquela época em que nos apercebemos do quão explorados somos. Os artigos mais notórios são as roupas.
Compilei 3 looks do dia para o Gabriel, e comparei os preços "normais" e de saldo.
Querem ver quanto conseguimos poupar em cada um deles?


dia


dia


dia



Dá ou não vontade de arrecadar roupa para o resto do ano?

quarta-feira, julho 26

Há vida para além do youtube

Para quem já me questionou sobre os vídeos no youtube, eles vão continuar. Aguardem novidades, porque vão chegar em breve :)

Enquanto isso, eu continuo a assistir aos canais habituais, e a descobrir novos.
Desta vez, venho partilhar convosco o canal de uma jovem mãe, a Luciana.
A Luciana tem 17 anos, foi mãe aos 16, da pequena Bianca.
Apesar da tenra idade, a Luciana tem muito orgulho em ser mãe e criou um canal no youtube para poder partilhar a sua aventura como mãe.

Venham conhecê-las no Canal Mamãe da Bi.




"Tenho uma irmã, e agora?!" #1

Este post foi escrito há sensivelmente 3 meses. Não lhe mexi. Decidi partilhar convosco da mesma forma que o escrevi. Dividirei este assunto em mais posts, porque a evolução desta relação entre irmãos já tem muita história para contar. Fiquem desse lado, a acompanhar todas as aventuras e histórias... ;)

Já nos contavas como reagiu o Gabriel ao nascimento da Estrela!!

Sim, já não era sem tempo. Várias pessoas já me questionaram sobre a reação do Gabriel ao nascimento da irmã. E, a caminho dos 3 meses, acho que deverei dividir a sua reação em duas partes. Hoje, venho contar-vos a reação mais imediata e, posteriormente, explicarei melhor o porquê de dividir a reação dele em duas fases.
Bem… A Estrelinha nasceu no dia que ela própria escolheu. Já com a indução marcada, ela resolveu fintar-nos e quis aparecer uns dias antes, para acalmar de vez a ansiedade da mãe. J
Foi um dia de semana, por isso, o Gabriel foi para a escola normalmente. Como de outras vezes, explicamos que iríamos à maternidade e que, a mana poderia querer nascer nesse dia, ou não. Deixamos sempre as duas opções em aberto. Pela maternidade, as coisas acabaram por demorar mais do que imaginávamos e, por isso, não conseguimos ir buscar o Gabriel à escola.
Contado por quem o foi buscar, a sua reação foi de “espanto”, de “pânico”. Algo do género: “Mas o que raio está a acontecer aqui? Onde estão os meus pais, afinal? Não era suposto virem buscar-me?”
Ao telefone connosco, disse-lhe que a mana já tinha nascido e ele praticamente não teve resposta.
Acredito que ele tenha ficado, por um lado, em choque, por outro, sem reação mesmo. Era uma experiência nova, completamente diferente de tudo o que já viveu. Esteve alguns meses a habituar-se à ideia de ver a mãe grávida e de um momento para outro ouviu que a irmã nasceu. Mas, como assim? Uma irmã? Mas o que é uma irmã afinal? Aquilo na cabeça dele deve ter dado voltas e voltas…
No fim do dia, o pai trouxe-o à maternidade. Ele, ainda a explorar e a tentar compreender o que tinha acontecido olha para mim, olha para ela, olha para mim e pergunta “É esta a mana?” E eu “Sim, é a mana. Já não está mais na minha barriga.” Ele continuou sem expressão, e ao aproximar-se dela esboçou o seu primeiro sorriso pelo acontecimento. Era real. Ele tinha uma mana. Ele viu um bebé na sua frente. Não se tornou irmã naquele momento, mas ele deve ter compreendido que estaria com ele para sempre. Fazia parte da nossa família. Afinal, esperamos por ela tanto tempo.
Foi tão giro este momento.


Tenho



terça-feira, julho 25

Missão Cumprida! 6 meses de Amamentação Exclusiva. #1

Escrevi este post, como sempre faço, sem reler. Por isso, apenas dei aos dedos e ao coração e registei como foram estes 6 meses de amamentação exclusiva.

Como disse no último post, a Estrelinha já completou os seus 6 mesinhos de vida. Parece incrível como já está com meio ano. MEU DEUS! Parece que foi ontem que a vi pela primeira vez. Parece que foi ontem que senti o seu cheiro pela primeira vez. Parece que foi ontem que a Estrelinha veio ao Mundo para nos fazer ainda mais felizes. Mas não. Não foi ontem! Foi há 6 meses!
Durante a gravidez havia uma coisa que tinha em mente: completar os 6 meses de amamentação exclusiva, tal como recomenda a Organização Mundial de Saúde.
Com o Gabriel, chegamos aos 4 meses de amamentação exclusiva. Não fomos mais longe porque, a mãe que acabara de nascer (eu, por sinal), nada ou pouco sabia sobre este mundo da amamentação. Mas, 7 anos depois, foram muitos os ensinamentos e partilhas que chegaram até mim (e que eu, obviamente, procurei).
Por isso, desta vez, mais do que objetivo, eu tinha esta meta como uma missão! Queria, porque queria, porque é melhor para a Estrelinha, chegar aos 6 meses de amamentação exclusiva. E, consegui! No dia que a Estrela completou os 6 meses, eu deliciei-me em cada mamada. Observei atentamente cada movimento de sucção, cada olhar, cada gesto. Durante estes 6 meses, posso dizer que me realizei e contribui em muito para que a nossa princesa possa crescer mais forte e mais saudável. E, isso é tudo!
Sobre estes meses: não posso dizer que foi super fácil, mas também não chego aqui com uma história complicada para relatar. Uma das coisas que tento sempre encarar é a naturalidade. Para mim, tudo é natural. Nada acontece por acaso. E isso ajuda-me sempre a compreender as coisas menos boas e mais difíceis.
Depois de decidir amamentar, sabia que havia risco de ter dor, mastites, febre, noites mal dormidas, cansaço, e por aí fora…
Mas, a minha vontade de amamentar era superior a tudo! E já vão perceber que sim.
O início foi atribulado. A primeira noite, aiii que noite! Por razões que não pude controlar, acabei por permitir que a Estrelinha passasse a noite “agarradinha” à mama. Isso custou-me umas boas feridas no mamilo, que vieram comigo para casa. Com os mamilos em ferida, os primeiros dias doeram. Imaginem uma ferida aberta, e coloquem alguém a suga-la. Dói só de pensar, não? Imaginem sentirem isso, de duas em duas horas, durante uma semaninha. Aguentariam? Claro que sim! Se a vossa consciência vos dissesse que tudo é passageiro e que isso seriam apenas meia dúzia de dias em muitos meses que viriam a seguir. J Primeiros dias passados e tudo se recompôs. A Estrelinha desde cedo foi uma boa mamona. Nada de chupetas, só maminha. Maminha para alimentar, para consolar, para mimar, para tudo! Claro está, que as noites são, por vezes, passadas com as mamas de fora. Mas, se é para ser, que seja! J
A segunda dificuldade aconteceu aos 3 meses. Estaria tudo em modo cruzeiro, quando a minha coluna decidiu revoltar-se. Acreditem que estas dores foram muito piores que o trabalho de parto. Preferia mil vezes ter um filho a passar por isto novamente. Mas, a minha missão – amamentar até aos 6 meses – mantinha-se firme e forte. Contra as indicações médicas de melhoria, que passavam por fazer medicação incompatível com a amamentação, preferi continuar ali, com toda a firmeza e dores, claro está! Mas, nada de tirar a maminha à minha princesa. Foram 3 meses de sofrimento (sim, estas dores foram horríveis, mas não foram capazes de me tirar do meu caminho!).
Aos 6 meses, dei por mim a relembrar que metade deste percurso foi difícil, porque simplesmente tinha adoecido e precisava de medicação diferente da que poderia fazer. Mas, tudo o que é mais difícil é certamente mais importante. Por isso, ter chegado aos 6 meses de amamentação exclusiva é uma vitória! É algo que me deixa mesmo muito feliz.
Como já disse a amigos, todos temos uma missão na vida. E, por muitos obstáculos que existam, é importante nunca abdicarmos das coisas que acreditamos. É importante continuar a lutar por aquilo que queremos, pelos nossos princípios, pelos nossos sonhos, pelas nossas metas. Só assim conseguiremos chegar à meta mais realizados do que nunca.
Estrelinha, tem sido um privilégio ter-te junto a mim. Conseguir alimentar um filho e vê-lo desenvolver-se tão bem é algo indescritivelmente maravilhoso.
O cansaço pode não permitir-me transcrever o que sinto da forma mais simples, mas quem já o fez saberá exatamente como me sinto. Parabéns à Estrelinha. Parabéns a nós, mães, que abdicamos de tudo para alimentar os nossos bebés.
Se estiverem neste processo, ou se estiverem a preparar-se para iniciar a amamentação, não desesperem. Tenham calma, porque tudo se resolverá. E, por mais obstáculos que possam surgir, não se esqueçam que nada acontece por acaso. E, daqui a uns meses, o que serão meia dúzia de dias em meia dúzia de meses, ou até mesmo em meia dúzia de anos ou décadas de existência?! ;)
Keep calm… and amamenta sem parar! J

Missão


segunda-feira, julho 24

Pensamento do dia




Parabéns à Estrela pelos seus 6 meses

No passado dia 12, a minha princesinha completou 6 meses. Comemorar esta data foi algo muito, mas mesmo muito especial.
Apesar das dificuldades com as quais temos lidado nos últimos meses, conseguimos chegar aos 6 meses com o nosso maior objetivo cumprido. Completamos 6 meses de amamentação exclusiva. Mas, sobre este percurso falaremos amanhã…
Hoje quero apenas registar um pouco do que os seus 6 meses significaram. Muito mais havia a registar, mas hoje vou ficar-me por umas breves palavras.
 



Estrelinha estás a meio do caminho para o teu primeiro aniversário. Estás uma princesa cada vez mais esperta, mais atenta, mais brincalhona. Gostas muito de conversinhas e adoras que te cantem. Adoras o mano e reages a ele de uma forma tão especial que o meu coração enche-se de tanta alegria cada vez que lhe sorris.
Já reconheces o teu nome, já rebolas, já te sentas, começaste a palrar e já estás pronta para iniciar a introdução alimentar.
És uma bebé tão sossegadinha, tal e qual te desejei, mas como não acreditava ser possível.
Não imagino estes 6 meses de outra forma que não seja abraçar-te, beijar-te, mimar-te…
És uma princesinha tão maravilhosa que eu só poderia ser a mãe mais feliz do mundo.
Estes teus 6 meses, nossos 6 meses a 4 têm sido incríveis. Contigo, tenho (re)aprendido tanta coisa. Somos tão frágeis e tão ingénuos quando nascemos, que a nossa missão de pais só pode mesmo ser ensinar-te tudo da forma mais simples. Queremos que possas crescer e continuar a apreciar as coisas boas da vida, com esse mesmo olhar ingénuo e espantado com o qual observas tudo em teu redor. Tudo é tão simples para ti quando estás perto de nós. Tudo fica muito mais fácil quando estás aconchegadinha a nós. Desejamos que assim seja para sempre. Terás sempre o nosso abraço mais apertado, o nosso sorriso mais sincero, as nossas palavras mais carinhosas.
Tudo vale a pena por ti. Cada olheira, cada noite mal dormida, cada tarefa que ficou pela metade. Por ti, para aproveitar cada dia teu, tudo vale a pena. Vale a pena abdicar de tanta coisa para viver ao máximo o teu início de vida.
Estrelinha, Parabéns pelos teus 6 mesinhos. Espero que te tenhas sentido tão feliz quanto nós.
 

sexta-feira, julho 14

Recomeçar?

Sempre acreditei em recomeços. Sempre acreditei que a cada dia que nasce, em cada dia que acordo, terei uma possibilidade de fazer algo diferente, de fazer algo melhor.
Em cada tropeço, em cada dificuldade, sempre estive pronta e disponível para recomeçar.
A esperança sempre foi um dos ingredientes mais abundantes na minha vida. Durante estes meses em que quase a perdi, também me enchi de novas conquistas.
Por isso, não querendo entrar em pormenores para já, vamos ao que interessa. E, o que me interessa, neste momento, é correr atrás do "prejuízo": É acordar e recomeçar!
Bora lá?!


Recomeçar



segunda-feira, julho 3

O dia-a-dia de uma pessoa com dor.

Todos nós reconhecemos a importância que a saúde tem na nossa vida. Mas, só quando passamos por situações em que a saúde nos falta, compreendemos a diferença que ela faz no nosso dia-a-dia.
Por cá, contamos com mais de 2 meses e meio de dores diárias. Até que ponto uma simples dor, localizada, pode afetar a nossa vida? Nunca tinha parado para pensar sobre isto, até ser obrigada a vivê-lo na primeira pessoa. Sei que existem consultas específicas para pessoas com dor crónica, e que este tipo de dor pode provocar depressão. Mas, não tinha consciência do porquê.
Viver diariamente com dor afeta tanto, mas tanto, a nossa vida. De tantas experiências que já tive, esta é sem dúvida, aquela que desejo nunca mais se repetir.

Quando a dor surge, ficamos na esperança de que vá passar. Ficamos na esperança de que um comprimido aqui, uma injeção ali, possam resolver a situação.
No entanto, à medida que os dias passam, e os comprimidos e injeções não fazem o efeito desejado, começamos a recear o dia seguinte.
Adormecer com dores, na esperança de acordar sem elas no dia seguinte passa a ser uma realidade.
Mas, os dias vão passando, e nada disso acontece.
Então, é aí, que temendo que a dor não queira desaparecer, ficamos até com medo de acordar a cada manhã, e ter que sentir toda a dor novamente.
Paralelamente, à medida que a dor persiste, vamos afastando-nos das coisas que fazemos habitualmente, na esperança de que, sem esforços, correria ou preocupações, a dor possa finalmente desaparecer.
Mas, mesmo assim, e já a entrar numa fase de quase desespero, a dor não nos diz adeus.
A dor permanece, e naqueles dias em que parece estar menor, lá vem um pico de dor que nos deixa de rastos.
Conviver com dor é realmente uma coisa terrível.
Há dias melhores, há dias piores, mas a dor tem capacidade para nos retirar a nossa própria vida, nos afastar do nosso percurso e nos distanciar dos nossos objetivos.

A dor ainda não passou. Depois de tudo isto, e de chegar ao meu limite, de ter dito BASTA, preciso de uma solução urgente! fiz exames, procurei imensos especialistas, e mesmo não havendo esperança, vou tentar focar na fé e acreditar que não hei-de passar o Verão todo nisto.


Boa Semana!

Fonte

sábado, julho 1

Life goes on...

Que sejamos capazes de retirar lições em cada obstáculo com o qual nos deparamos.
Se tinha algo para aprender com este, acredito que já o aprendi. Agora, estou mais do que preparada para o ultrapassar.

#esperança #recuperar #bepatient #believe

Fonte

segunda-feira, junho 5

Aceita que dói menos!

Hoje trago um desabafo e testemunho. A razão pela qual não tenho partilhado praticamente nada nos últimos tempos. Vamos começar pelo início.

A Estrelinha nasceu. Tudo correu da melhor forma, muito melhor do que imaginei.
O primeiro mês, arriscar-me-ei a dizer, apesar da ironia, foi um descanso.
Recuperação fácil e rápida, sem dores. A Estrelinha sempre tranquila, nada de grandes preocupações.

Depois disso, senti-me disposta e disponível para retomar as várias atividades das quais faço parte. Tentei regularizar o blog e retomei outras atividades. Tudo correria bem até ao dia em que acordei com dores.
Dores?! Porquê? Infelizmente, a minha coluna tem uma lesão articular e volta e meia dá sinal de vida, da pior forma. Mas, desta vez, deu sinal de quase morte! Pela primeira vez, senti que não era ninguém perante tal acontecimento. Somos tão, mas tão efémeros, tão susceptíveis... OMG! Dá medo só de pensar.
Depois de alguns dias de cama, com o marido a cuidar de mim (e de nós todos), de várias injeções, acreditava que o pior já tinha passado. Mas, pelos vistos não!
Acredito que nada acontece por acaso, mas juro que não entendo o porquê de tudo isto estar a acontecer comigo, logo agora!
A dor de coluna passou, mas deu lugar à tão temível dor do nervo ciático.
Há dias piores e há dias melhores. Mas, em todos eles, há a incapacidade de realizar movimentos básicos como caminhar, deitar, sentar e até dar colo. Em todos eles, há a dor que persiste e parece não querer ir embora.
Nunca imaginei que teria que aguentar uma situação destas neste pós parto, que começou tão, mas tão bem!
Teria toda uma história florida para contar se não fosse esta situação.
Estou quase a completar os 2 meses com dores. Dores diárias, que condicionam a minha funcionalidade e tudo o resto. Isto de acordar e deitar com dores persistentes tem muito que se lhe diga. Deixo uma palavra de força para quem passa por situações destas e mesmo assim consegue pensar positivo. Acreditem que não é fácil manter o foco desta forma.

E, como não aguento mais "esperar" que as dores desapareçam, resolvi viver mesmo com elas...
Sempre ouvi dizer que aceitando, custa menos. Não estaria disposta a fazê-lo, mas não consigo continuar a viver desta forma. Dores, preparem-se! Vou ignorar-vos até dor em contrário :)

Boa Semana!

Até amanhã.

terça-feira, maio 16

Quando te afastas...

Estes últimos tempos não têm sido fáceis. Dores atrás de dores e a incapacidade de cumprir simples tarefas do dia-a-dia têm dado cabo de mim. Já afirmei várias vezes que, quando este problema terminar, irei precisar de uns bons calmantes. Sentir impotência perante o nosso próprio corpo é algo muito difícil. Mas não vale a pena lamentar porque isto não é o fim do mundo. Tenho aproveitado que não consigo fazer tanta coisa para me abstrair do mundo e para refletir sobre tantas coisas...

Quando nos afastamos percebemos quem se importa connosco. Quando mudamos a nossa trajetória, seja em que etapa da nossa vida for, percebemos quem está disposto a acompanhar-nos.
Felizmente, tenho bons amigos. Não são muitos os verdadeiros, mas são do mais sincero que há! Sou muito grata por ter cada um deles na minha vida.

Quando partilhamos com o mundo uma sorte que nos aconteceu, toda a gente quer saber como, de que forma, o que ganhamos afinal.
Por outro lado, quando partilhamos que não estamos tão bem como outrora, muitos são aqueles que nos dão espaço. Quero acreditar que eles próprios acreditam que precisamos do nosso próprio espaço.

Hoje estou assim, perdida entre mil e um pensamentos. Com vontade de escrever tanta coisa. Afinal, estar afastada de um computador faz a minha cabeça andar a mil à hora, com o desejo infindável de escrever, escrever, escrever...

Mas, hoje apetece-me apenas agradecer. Agradecer pelas pessoas boas que ainda existem. Tenho encontrado tanta gente má, que já desisti de me revoltar. Quero ignorá-las, tal e qual merecem. Quero olhar apenas para a melhor parte da vida.
Quero agradecer por ter na minha família os meus maiores e melhores amigos, e por ter perto de mim os amigos mais incríveis do mundo. Não é qualquer um que abdica do seu próprio tempo pelos outros. Não é qualquer um que altera os seus planos, dentro da vida agitada de cada um, para nos ajudar. Obrigada <3 

Desejo-vos uma Excelente Terça-feira. Rodeiem-se das melhores pessoas e sentir-vos-eis mais leves. 


segunda-feira, maio 1

Sobre os espaços multifuncionais - FRALDÁRIOS PÚBLICOS

Os estabelecimentos públicos lembram-se que as mães levam os bebés para trocar a fralda e dar a mama. Mas, são muito, muito raros aqueles que se lembram que as mamãs também precisam ir ao wc.
Nunca vos aconteceu?
Estamos no shopping. Precisamos trocar a fralda. Onde vamos? Ao fraldário. Cada vez mais estes espaços são mistos: trocador, cadeira para amamentação, wc para os mais novos.
No entanto, quando nós, mães precisamos ir ao WC qual deveremos utilizar?
Estamos com o carrinho de passeio, mas o wc das mulheres não tem espaço para nós. Não existem arquitetas mulheres a projetar espaços de serventia pública?
Normalmente, eu utilizo o wc dos deficientes. É sempre o mais espaçoso e lá consigo enfiar o carrinho de passeio. Quando está trancado (sim, já aconteceu) ou ocupado, utilizo o wc das senhoras, mas deixo sempre a porta aberta, e o puxador do carrinho de passeio junto à porta. Só para garantir que consigo segurar nele, caso haja necessidade. Nem que seja de calças na mão, a última coisa que quero é ver o carrinho fugir na minha frente.
Já sentiram falta de um wc adaptado para nós? Ou serei a única a sentir essa necessidade?
Quando estamos grávidas não há problema. Maior ou menor a barriga, lá cabemos com o bebé no mesmo espaço. Mas, quando a cria está cá fora, a ocupar ainda mais espaço do que dentro da barriga, isto é uma situação que se complica.

E nesta linha de pensamento, vamos aproveitar para falar sobre as cadeiras de amamentação dos estabelecimentos públicos?
Quem de vós já deu mama nos espaços públicos, como os shoppings? Se é uma dessas pessoas, então talvez isto já lhe tenha passado pela cabeça…
Os espaços estão cada vez mais bonitos, agradáveis ao olho. As paredes pintadas, as frases a completar o cenário…
Mas, existem duas situações que me aborrecem um pouco:
Em primeiro lugar, o espaço que temos disponível no cadeirão. Aprecio imenso o conforto que eles têm, pelo menos na maior parte dos locais por onde passei e precisei de os utilizar. No entanto, cada vez menos (à medida que a bebé cresce) consigo aproveitar o seu conforto. Os altos braços dos cadeirões acabam por ser curtos demais para que o bebé ou criança caiba. Recordemo-nos que a OMS recomenda a amamentação até aos 2 anos. Se a minha bebé de 3 meses já se contorce com o pouco espaço disponível, imagino-a daqui a mais 21 meses!
A verdade é que, dada esta dificuldade, sou obrigada a posicionar-me na cadeira de lado e por isso, a pouco aproveitar o conforto daquele encosto tão fofo e atraente…
Um outro aspeto que, a meu ver, deveria ser repensado é o facto destes espaços, lindos e maravilhosos ao olhar, muitas vezes não serem tão agradáveis ao olfato… A multifuncionalidade destes espaços, que agregam o muda fraldas, os cadeirões para amamentação e os sanitários para os mais velhinhos faz com que o cheiro não seja o melhor… Por vezes, é incómodo dar mama a um bebé tão pequeno no meio de todo aquele odor…
Mas, isto é apenas a minha opinião. Serei assim tão picuinhas ou haverá mais alguém com os mesmos pensamentos que eu?
Digam-me o que acham sobre isto e se já se questionaram pelos mesmos assuntos…


quarta-feira, abril 26

Quando deixamos de dar banho aos nossos filhos...

Há coisas maravilhosas que fazemos e temos vontade de partilhar com toda a gente. Toda a gente gostaria de ser uma fonte de inspiração, a perfeição que muitos idealizam.
No entanto, a realidade por detrás dos ecrãs é muito mais do que uma foto bonita ou uma história inspiradora. Afinal, a história da nossa vida, é composta por inúmeras cenas.

Entre uma das cenas dos últimos episódios encontra-se uma da qual não me orgulho nada, mas que tendo consciência dela, quero corrigir. Deixo a partilha por ser uma cena do quotidiano, e para alertar as mães que tal como eu, também podem passar por situações idênticas.

O Gabriel está crescido. Faz tanta coisa sem ajuda e muitas coisas sem supervisão. Há muito tempo que ele toma banho sozinho. Claro está que pelo menos uma vez por semana, tinha o cuidado de o ajudar e supervisionar como está a correr. No entanto, com o nascimento da Estrela, a supervisão deixou de ser tão frequente. Digamos que estive um mês sem supervisionar esta tarefa.
Quando regresso à minha função de mãe supervisora (ahah) reparo que durante este tempo ele se transformou em águia!!
OMG! Entre o pensamento dividido: não sei se rio ou se choro, o meu cérebro deu sinal vermelho: NUNCA MAIS FAÇAS ISTO!
E o que fiz afinal?! Como lhe cortava sempre as unhas dos pés depois do banho, ele estava com elas enormes. Bem... São coisas que acontecem. As das mãos ele tem roído, por isso, as dos pés ficaram esquecidas.
É triste, é triste. Até que pontos uma mãe deixa o filho assim? O que vale é menino, e o que vale é Inverno. O pior é mesmo fazer natação. ahahah Mas por acaso até nem tem sido assim tão assíduo, e ainda não rasgou nenhuma meia para dar o alerta... 

São coisas do quotidiano. Lembram-se de termos falado sobre Realidade versus Expetativa?! É isto mesmo. Tentamos, tentamos, mas nem sempre temos tudo em ordem.
Por isso, somos pessoas reais. E isso sim, é o melhor que podemos ser. :)
Mas, sejamos pessoas reais com as unhas cortadas, está bem? :)